Loading...

domingo, 15 de maio de 2011

LISTA DE ATIVIDADES SOBRE SEGUNDO REINADO

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
1 . (Puccamp)                                        Quinze de novembro
Deodoro todo nos trinques
Bate na porta de Dão Pedro Segundo.
" - Seu imperador, dê o fora
que nós queremos tomar conta desta bugiganga.
Mande vir os músicos."
O imperador bocejando responde:
"Pois não meus filhos não se vexem
me deixem calçar as chinelas
podem entrar à vontade:
só peço que não me bulam nas obras completas  de Victor Hugo".              (Murilo Mendes. "História do Brasil. Poemas." Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 169)

                         Considere os itens a seguir.

I. A guerra mostrou as contradições do Império brasileiro: a escravidão começou a ser questionada com grande intensidade.
II. Com a guerra, o Exército brasileiro, ao se fortalecer, tomou consciência de seu poder, recusando as lideranças civis que ocupavam as pastas militares.
III. A guerra abalou os fundamentos do Império. O declínio da monarquia foi concomitante à guerra e as críticas atingiram seu ponto vital, a escravidão.
IV. A guerra contribuiu para o declínio do tradicional modelo econômico agroexportador e como conseqüência para o isolamento da monarquia.
V. Após a guerra a monarquia conheceu uma relativa instabilidade política provocada pela luta partidária entre liberais e conservadores.

                        O fenômeno descrito no poema pode-se associar a Guerra do Paraguai. Sobre o assunto é correto SOMENTE o que está afirmado em
a) I, II e III.
b) I, III e V.
c) I, IV e V.
d) II, III e IV.
e) II, IV e V.

2. (Fatec) Em 4 de setembro de 1850, foi sancionada no Brasil a Lei Eusébio de Queirós (ministro da Justiça), que abolia o tráfico negreiro em nosso país. Em decorrência dessa lei, o governo imperial brasileiro aprovou outra, "a Lei de Terras".
Dentre as alternativas a seguir, assinale a correta.
a) A Lei de Terras facilitava a ocupação de propriedades pelos imigrantes que passaram a chegar ao Brasil.
b) A Lei de Terras dificultou a posse das terras pelos imigrantes, mas facilitou aos negros libertos o acesso a elas.
c) O governo imperial, temendo o controle das terras pelo coronéis, inspirou-se no "Act Homesteade" americano, para realizar uma distribuição de terras aos camponeses mais pobres.
d) A Lei de Terras visava a aumentar o valor das terras e obrigar os imigrantes a vender sua força de trabalho para os cafeicultores.
e) O objetivo do governo imperial, com esta lei, era proteger e regularizar a situação das dezenas de quilombos que existiam no Brasil.

3. (Fatec) O problema que nós queremos resolver é o de fazer desse composto de senhor e escravo um cidadão.
                        (Joaquim Nabuco, 1883.)

Essa frase expressa o anseio
a) por uma divisão racial clara e que deveria ser mantida.
b) por uma reforma agrária imediata.
c) pela liberdade dos indígenas, até então escravizados.
d) por uma sociedade livre e que integrasse os escravos como seus cidadãos.
e) pela liberdade dos escravos e sua deportação para a África.

4. (Fgv) "Não se pode esquecer os laços estreitos que ligavam a economia agroexportadora brasileira à Inglaterra. Os ingleses, nas décadas de 1840-50, praticamente dominavam o comércio de importação-exportação do país; nos anos de 1840, firmas britânicas controlavam 50% das exportações brasileiras de café e açúcar e 60% das de algodão. Da mesma maneira, os bancos ingleses, através de empréstimos externos ao Estado, se faziam presentes na economia nacional. A este tipo de presença econômica, agrega-se que as pressões inglesas (...) assumiam a forma militar, com o aprisionamento de navios brasileiros."                         (João L. Fragoso e Francisco C. T. da Silva, "A Política no Império e no início da República Velha." In Maria Yedda Linhares (org.), "História Geral do Brasil")
                        Além dessa presença econômica, o país citado exerceu pressões para que o governo brasileiro
a) aprovasse a Tarifa Alves Branco.
b) abolisse o tráfico negreiro.
c) impulsionasse a "Era Mauá".
d) rompesse relações com o Paraguai.
e) aceitasse o "Funding Loan".

5. (G1) A Revolta do Quebra-quilos (1874-1875), no Segundo Reinado, teve como principais fatores:
a) a crise do café associada com o fim do trabalho escravo.
b) o estabelecimento de um novo sistema de pesos e medidas, principalmente a insatisfação dos sertanejos contra o governo imperial, com seus impostos e multas, além das imposições arbitrárias.
c) o direito exclusivo dos mineradores paulistas de poderem explorar as jazidas das Minas Gerais, além da liberdade de indústrias.
d) a renovação, por parte de D. Pedro II, dos tratados de 1810 que davam à Inglaterra uma série de regalias alfandegárias no Brasil.
e) as divergências entre liberais e cabanos (conservadores) que disputavam o controle da província do Maranhão.

6. (G1) Foi um dos fatores que levaram o Brasil à queda da monarquia e à instauração do regime republicano
a) o radicalismo da jovem oficialidade militar, que propunha uma ampla revolução social.
b) a participação do setor industrial no movimento republicano, reivindicando uma política pública de austeridade financeira.
c) o descontentamento dos proprietários de terra com a libertação dos escravos sem indenização.
d) a necessidade , por parte dos fazendeiros do café, de obterem a autonomia dos estados através da implantação do federalismo.

7. (Mackenzie) Para os conselheiros do Império, o Brasil era como um sistema heliocêntrico, dominado pelo sol do Estado, em torno do qual giravam os grandes planetas do que chamavam, "as classes conservadoras" e, muito longe, a miríade de estrelas da grande massa do povo.               José Murilo de Carvalho

                        Através do texto, compreendemos que a proposta política do Segundo Reinado privilegiava:
a) as massas populares, base de sustentação política do império.
b) as elites dominantes, que tinham no Império a garantia de seus interesses.
c) apenas os segmentos de classe média que emergiam economicamente após a imigração.
d) os fazendeiros do Vale do Paraíba e senhores de engenho nordestinos, que jamais tiveram interesses contrariados pelo imperador.
e) os escravos, base econômica do período, libertados pelo Império.

8. (Puc-rio) Sobretudo compreendam os críticos a missão dos poetas, escritores e artistas, nesse período especial e ambíguo da formação de uma nacionalidade. São estes os operários incumbidos de polir o talhe e as feições da individualidade que se vai esboçando no viver do povo. (...) E de quanta valia não é o modesto serviço de desbastar o idioma novo das impurezas que lhe ficaram na refusão do idioma velho com outras línguas? Ele prepara a matéria, bronze ou mármore, para os grandes escultores da palavra que erigem os monumentos literários da pátria.              (José de Alencar. "Benção paterna". In Sonhos D'Ouro. Obra Completa. Rio de Janeiro: Editora José Aguilar, 1960, v. 1, pp. 699-700)
                        O texto de José de Alencar, redigido em 1872, destaca um dos aspectos da formação da nacionalidade brasileira em meados do século XIX.
Com base em seus conhecimentos e nas informações contidas no texto, analise as afirmativas a seguir.
I - José de Alencar foi, entre os escritores associados ao Romantismo, um dos que por meio de sua obra buscaram construir e divulgar valores de uma identidade nacional brasileira, em meados do século XIX.
II - A formação da nacionalidade brasileira impunha a existência de um "idioma novo", diferente do "idioma velho" - a língua dos antigos colonizadores portugueses.
III - Para os escritores românticos, como José de Alencar, a pintura, o teatro e a música eram artes menores, que pouco ou nada contribuíam para a formação da nacionalidade brasileira.
IV - Romances como "O Guarani" de José de Alencar tinham o índio e a natureza tropical como temas, no intuito de afirmar a originalidade e a individualidade da nova nação americana.

Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e III estão corretas.
b) Somente as afirmativas II e III estão corretas.
c) Somente as afirmativas I, II e IV estão corretas.
d) Somente a afirmativa IV está correta.
e) Todas as afirmativas estão corretas.

9. (Pucmg) São mudanças significativas que ocorreram no Império Brasileiro a partir dos meados do século XIX, EXCETO:
a) incentivo à imigração européia, com a supressão do trabalho escravo, através do sistema de parceria introduzido na lavoura cafeeira do Vale do Paraíba pelo Senador Vergueiro.
b) surto de desenvolvimento industrial sob o patrocínio do Barão de Mauá, garantindo a liberação de capitais ingleses, após a extinção do tráfico negreiro.
c) impulso às atividades urbanas em curso no país, propiciado pela decretação da tarifa protecionista Alves Branco, possibilitando o aumento das rendas governamentais.
d) disponibilidade de capitais, antes empregados no tráfico de escravos africanos que, após o decreto da lei Eusébio de Queirós, foram canalizados para a modernização do país.

10. (Pucpr) "O espelho da historiografia reflete imagens côncavas e convexas. A imagem real em frente do espelho, porém, parece revelar uma nação rude, dividida, de espírito escravista e anti-legalista, que relutou ao máximo antes de alterar sua ordem econômica e social baseada na exploração do trabalho escravo. Uma nação que, às 3h15 de uma tarde ensolarada de domingo, 13 de maio de 1888, não apenas não se livraria de seu passado conturbado como, ainda hoje, parece incapaz de lidar com ele."             (Bueno, Eduardo. "Brasil: uma História".1. edi., São Paulo, Ática, 2005, p. 218.)
                        Sobre a abolição da escravidão:
I - Para historiadores com tendências monarquistas, a princesa Isabel foi a heroína que teve a coragem de abolir a escravidão, o que lhe causou a perda do trono.
II - A radical e intensa pressão da Igreja durante quase todo o segundo reinado, foi uma das mais importantes forças a favor da libertação dos escravos.
III - A Lei Rio Branco, também conhecida como "Lei dos Sexagenários", que libertava escravos maiores de 60 anos, na verdade beneficiava os proprietários, permitindo que se livrassem de escravos com idade avançada.
IV - Por meio do Fundo de Emancipação, foram pagas indenizações apenas aos cafeicultores, após uma manobra política bem executada por deputados que representavam os proprietários de terras do oeste paulista.
                        É correta ou são corretas:
a) apenas I.
b) I e III.
c) I e IV.
d) apenas III.
e) III e IV.

11. (Pucrs) Dos fatores abaixo, aquele que teve forte influência na queda do Império brasileiro foi a
a) invasão francesa no Rio de Janeiro, com a fundação da França Antártica, o que desestabilizou o governo de Dom Pedro II.
b) concorrência do açúcar antilhano, o que abalou a base econômica nacional, levando a uma crise econômica generalizada no país.
c) crise do escravismo, o qual se constituía na base produtiva do Império, levando a uma crise econômica e à perda do apoio político dos cafeicultores.
d) Revolução Farroupilha, que levou à fragmentação política do país e a uma conseqüente crise econômica, o que desestabilizou completamente o regime monárquico.
e) Guerra do Paraguai, visto que, com o acordo celebrado com a Tríplice Aliança, o governo monárquico perdeu o apoio político dos cafeicultores e de setores descontentes do Exército.

12. (Pucsp) O Segundo Império brasileiro (1840-1889) realizou várias expedições na região do Prata. Entre os motivos dessas ações podemos destacar
a) o esforço brasileiro de diminuir a influência inglesa na região e assegurar o controle estratégico do comércio e da exploração mineral no Prata.
b) a tentativa de impedir que a Argentina, logo após a independência, ampliasse seus domínios territoriais e anexasse parte do sul do Brasil.
c) o projeto do Imperador brasileiro de estabelecer hegemonia militar e naval do Brasil nas Américas, rivalizando com os Estados Unidos.
d) a reação ao acelerado crescimento econômico do Paraguai e à tentativa de seu presidente de construir o primeiro Estado socialista de toda a América.
e) a intenção brasileira de ampliar sua influência política e comercial na região platina, expressa nas intervenções no Uruguai, na Argentina e no Paraguai.

13. (Ufg) Durante o 2Ž Reinado, as relações entre o Brasil e a Inglaterra ficaram tensas. Nesse clima, a Questão Christie (1863) foi deflagrada pela
a) resistência das elites escravistas brasileiras em extinguir o tráfico de africanos, gerando descontentamento entre os diplomatas ingleses.
b) decisão do governo brasileiro de não renovar o tratado de comércio com a Inglaterra, favorecendo a situação financeira do governo imperial.
c) aprovação da lei Bill Aberdeen pelo Parlamento inglês, proibindo o tráfico de escravos no Atlântico, sob pena da apreensão de navios negreiros.
d) pilhagem da carga de um navio inglês naufragado no Brasil e pelo aprisionamento, pela Inglaterra, de navios brasileiros no Rio de Janeiro.
e) instabilidade nas relações comerciais do Brasil com a Inglaterra, decorrente da entrada de produtos industrializados, principalmente dos Estados Unidos.

14 (Ufjf) Leia, com atenção, o texto: "A Princeza Imperial Regente, em nome de sua Majestade o Imperador Senhor D. Pedro II, Faz saber a todos os súditos do Império que a Assembléia Geral decretou e Ella sanccionou a Lei seguinte: Art.1¡. É declarada extincta desde a data desta Lei, a escravidão no Brazil. Art.2¡. Revogam-se as disposições em contrário."                       13 de maio de 1888
                        O importante fato revelado por esse documento histórico representa o fim de um longo processo, do qual participaram vários atores sociais. Sobre esse processo, assinale a alternativa INCORRETA:
a) Com o fim do tráfico internacional de cativos, a reposição da mão-de-obra escrava no Brasil passou a depender da reprodução natural.
b) A Lei do Ventre Livre estabelecia que todas as crianças, filhas de mães escravas, nasceriam livres. Mas assegurava que os senhores podiam dispor de sua mão-de-obra até a idade de 21 anos.
c) A abolição do trabalho escravo foi resultado de um processo gradual, perceptível pelos decretos anteriores de fim do tráfico e leis do Ventre Livre e Sexagenários.
d) O movimento abolicionista foi liderado por todos os fazendeiros do sudeste cafeeiro, interessados na rápida substituição da mão-de-obra escrava pelo trabalhador livre.
e) A pressão antiescravista dos abolicionistas, associada às fugas e revoltas de escravos, pressionou a abolição da escravatura.

15. (Ufpi) Assinale a alternativa correta sobre a economia cafeeira durante o Império.
a) A abolição da escravidão inviabilizou a expansão do plantio, por falta de mão-de-obra especializada.
b) A decadência da economia cafeeira no Vale do Paraíba coincidiu com a franca expansão do plantio no chamado Oeste Paulista.
c) O escoamento do produto foi facilitado pela ampla construção de estradas, que permitia aos caminhões o transporte até os portos.
d) O fim do império teve como conseqüência imediata a desestruturação e decadência da economia cafeeira e a substituição por uma política industrialista.
e) A política imperial preocupou-se essencialmente em favorecer os interesses dos produtores de açúcar do Nordeste, ignorando as necessidades dos produtores de café.

16. (Ufpi) Assinale a alternativa correta sobre as ideologias políticas que inspiraram os grupos que defenderam o fim da monarquia e a implantação da república no Brasil.
a) O Positivismo atraiu fortemente vários grupos militares, que defendiam a necessidade de um poder executivo forte.
b) Os vários grupos envolvidos não aderiram a nenhuma ideologia em particular, pois suas ações eram motivadas apenas por interesses econômicos.
c) Os grandes fazendeiros de café, particularmente os de São Paulo, opunham-se à ideologia liberal, bem como ao federalismo e à autonomia das províncias.
d) O chamado jacobinismo, em virtude da inspiração na Revolução Francesa, foi a ideologia básica de todos os grupos republicanos, que defendiam uma real democratização do país.
e) A proposta dos setores médios urbanos, como o de professores e jornalistas, era a de um republicanismo conservador, capaz de manter intocada a rígida hierarquia social brasileira.

17. (Ufrn) Durante o século XIX, no Brasil, desenvolveu-se uma campanha em favor da abolição da escravidão negra. A culminância dessa campanha deu-se com a Lei Áurea, em 1888. Ao ser extinta a escravidão, os libertos
a) permaneceram nas mesmas condições de vida, dada a inexistência de uma política governamental que os integrasse à sociedade.
b) iniciaram negócios próprios, inserindo-se no mercado capitalista, graças a subsídios do governo.
c) ocuparam postos no mercado de trabalho capitalista, em razão da política governamental de educação formal.
d) foram alvo de atitudes segregacionistas da sociedade branca, dificultando-lhes a ascensão social em razão das disposições previstas nas leis abolicionistas.

18. (Ufsm) O processo do desenvolvimento capitalista no Brasil, no século XIX, foi acelerado pelos seguintes fatores, EXCETO
a) a ampla disponibilidade de terras férteis e a ausência de obstáculos políticos e jurídicos para ocupá-las.
b) a edição da Lei de Terras de 1850, que intensificou a mercantilização das terras, encarecendo-as.
c) a abolição do tráfico negreiro, em 1850, que liberou capitais para investimentos em outros setores dinâmicos de economia.
d) o afluxo de crescentes contingentes de imigrantes europeus para as regiões em expansão.
e) a gradativa abolição do trabalho escravo e a ênfase crescente no trabalho assalariado.

19. (Ufu) Leia o seguinte trecho:                    "Dos próprios escravos não obteve Helena desde logo a simpatia e boa vontade; esses pautavam os sentimentos pelos de D. Úrsula. Servos de uma família, viam com desafeto e ciúme a parenta nova, ali trazida por um ato de generosidade. (...) Um só de tantos pareceu vê-la desde princípio com olhos amigos; era um rapaz de dezesseis anos, chamado Vicente, cria da casa e particularmente estimado do conselheiro. Talvez esta última circunstância o ligou desde logo à filha do seu senhor. (...) Vicente foi (...) um fiel servidor de Helena, seu advogado convicto nos julgamentos da senzala."    ASSIS, Machado de. "Helena", São Paulo: FTD, 1992. p. 30-31.
                        Considerando que o texto acima foi escrito por Machado de Assis em 1876, podemos afirmar que ele
I - em virtude de seu caráter ficcional, atribui aos escravos sentimentos historicamente inverossímeis de solidariedade com seus senhores, o que só é possível imaginar em um texto literário.
II - chama a atenção para uma das facetas da sociedade escravista brasileira do século XIX: a crença da elite senhorial na solidariedade entre os senhores e seus escravos mais "fiéis".
III - demonstra que Machado de Assis era insensível ao tema da escravidão, tratando-a de forma superficial, sem qualquer compromisso de representar as formas de agir e pensar do escravo.
IV- apesar de ficcional, ajuda a entender a sociedade escravista brasileira do século XIX, representando sentimentos envolvidos nas relações entre escravos e senhores.
                        Assinale a alternativa correta.
a) Apenas II e III estão corretas.
b) Apenas I e III estão corretas.
c) Apenas I e IV estão corretas.
d) Apenas II e IV estão corretas.

20. (Mackenzie) O movimento resultou da conjugação de três forças: uma parcela do exército, fazendeiros do oeste paulista e representantes das classes médias urbanas.                                                                                                                                  (Emilia Viotti)
                        Momentaneamente unidas, segundo a autora, conservaram profundas divergências na organização do novo regime. Identifique o fato histórico mencionado pelo texto.
a) Abdicação do imperador Pedro I.
b) Proclamação da República.
c) Ato Adicional de 1834.
d) Organização do Gabinete de Conciliação.
e) Introdução do Parlamentarismo como sistema político.



GABARITO

1. [A]

2. [D]

3. [D]

4. [B]

5. [B]

6. [D]

7. [B]

8. [C]

9. [A]

10. [A]

11. [C]

12. [E]

13. [D]

14. [D]

15. [B]

16. [A]

17. [A]

18. [A]

19. [D]

20. [B]

LISTA DE ATIVIDADES SOBRE MERCANTILISMO, ABSOLUTISMO E ILUMINISMO

1 Por que a burguesia precisava da centralização política?

2. (Unicamp) Sobre o governo dos príncipes, Nicolau Maquiavel, um pensador italiano do século XVI, afirmou:

"O príncipe não precisa ser piedoso, fiel, humano, íntegro e religioso, bastando que aparente possuir tais qualidades. (...) Um príncipe não pode observar todas as coisas a que são obrigados os homens considerados bons, sendo freqüentemente forçado, para manter o governo, a agir contra a caridade, a fé, a humanidade, a religião (...). O príncipe não deve se desviar do bem, se possível, mas deve estar pronto a fazer o mal, se necessário".
                (Adaptado de Nicolau Maquiavel, O PRÍNCIPE, em OS PENSADORES, São Paulo, Nova Cultural, 1996, pp. 102-103)

A partir do texto, responda:

a) Qual o maior dever do príncipe?
b) Como o príncipe deveria governar para ter êxito?
c) De que maneira as idéias de Maquiavel se opunham à moral cristã, medieval?

3. (Fuvest) "Após ter conseguido retirar da nobreza o poder político que ela detinha enquanto ordem, os soberanos a atraíram para a corte e lhe atribuíram funções políticas e diplomáticas".

Esta frase, extraída da obra de Max Weber, "POLÍTICA COMO VOCAÇÃO", refere-se ao processo que, no Ocidente:
a) destruiu a dominação social da nobreza, na passagem da Idade Moderna para a Contemporânea.
b) estabeleceu a dominação social da nobreza, na passagem da Antiguidade para a Idade Média.
c) fez da nobreza uma ordem privilegiada, na passagem da Alta Idade Média para a Baixa Idade Média.
d) conservou o privilégios políticos da nobreza, na passagem do Antigo Regime para a Restauração.
e) permitiu ao Estado dominar politicamente a nobreza, na passagem da Idade Média para a Moderna.

4. (Pucsp) "O trono real não é o trono de um homem, mas o trono do próprio Deus. Os reis são deuses e participam de alguma maneira da independência divina. O rei vê de mais longe e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê melhor..."
                (Jacques Bossuet.)
               
Essas afirmações de Bossuet referem-se ao contexto
a) do século XII, na França, no qual ocorria uma profunda ruptura entre Igreja e Estado pelo fato de o Papa almejar o exercício do poder monárquico por ser representante de Deus.
b) do século X, na Inglaterra, no qual a Igreja Católica atuava em total acordo com a nobreza feudal.
c) do século XVIII, na Inglaterra, no qual foi desenvolvida a concepção iluminista de governo, como está exposta.
d) do século XVII, na França, no qual se consolidavam as monarquias nacionais.
e) do século XVI, na Espanha, no momento da união dos tronos de Aragão e Castela.

5. (Uel) Por volta do século XVI, associa-se à formação das monarquias nacionais européias
a) a demanda de protecionismo por parte da burguesia mercantil emergente e a circulação de um ideário político absolutista.
b) a afirmação político-econômica da aristocracia feudal e a sustentação ideológica liberal para a centralização do Estado.
c) as navegações e conquistas ultramarinas e o desejo de implantação de uma economia mundial de livre-mercado.
d) o crescimento do contingente de mão-de-obra camponesa e a presença da concepção burguesa de ditadura do proletariado.
e) o surgimento de uma vanguarda cultural religiosa e a forte influência do ceticismo francês defensor do direito divino dos reis.

6. (Ufmg) Leia o texto.
"Por enquanto, ainda el-rei está a preparar-se para a noite. Despiram-no os camaristas, vestiram-no com o trajo da função e do estilo, passadas as roupas de mão em mão tão reverentemente como relíquias santas, e isto se passa na presença de outros criados e pagens, este que abre o gavetão, aquele que afasta a cortina, um que levanta a luz, outro que lhe modera o brilho, dois que não se movem, dois que imitam estes, mais uns tantos que não se sabe o que fazem nem porque estão. Enfim, de tanto se esforçarem todos ficou preparado el-rei, um dos fidalgos retifica a prega final, outro ajusta o cabeção bordado."
                                (SARAMAGO, José. MEMORIAL DO CONVENTO.)

Nesse texto Saramago descreve o cotidiano na corte no período de consolidação do Estado Moderno.
Todas as alternativas referem-se ao Absolutismo Monárquico, EXCETO:
a) A classe dominante, durante toda a época moderna, não era mais a mesma do período feudal tanto política quanto economicamente.
b) A história do Absolutismo Monárquico é a história da lenta reconversão da nobreza a um papel parasitário, o que lhe permitiu regalias.
c) A nobreza passou por profundas transformações no período monárquico de centralização, mas nunca foi desalojada do poder político.
d) O Absolutismo era um rearranjo do aparelho de dominação, destinado a sujeitar as massas camponesas, que sublevadas questionavam o papel tradicional da nobreza.
e) O Estado Absolutista era uma nova carapaça política de uma nobreza atemorizada, que passou a ocupar um lugar junto ao Rei, se tornando cortesã.

7. (Unesp) O início da Época Moderna está ligado a um processo geral de transformações humanística, artística, cultural e política. A concentração do poder promoveu um tipo de Estado. Para alguns pensadores da época, que procuraram fundamentar o Absolutismo:
a) a função do Estado é agir de acordo com a vontade da maioria.
b) a História se explica pelo valor da raça de um povo.
c) a fidelidade ao poder absoluto reside na separação dos três poderes.
d) o rei reina por vontade de Deus, sendo assim considerado o seu representante na Terra.
e) a soberania máxima reside no próprio povo.

8. (Fgv) O mercantilismo correspondeu a:
a) um conjunto de práticas e idéias econômicas baseadas em princípios protecionistas.
b) uma teoria econômica defensora das livres práticas comerciais entre os diversos países.
c) um movimento do século XVII que defendia a mercantilização dos escravos africanos.
d) uma doutrina econômica defensora da não intervenção do Estado na economia.
e) uma política econômica, especificamente ibérica de defesa de seus interesses coloniais.

9. (G1) O Mercantilismo pode ser definido como:
a) o conjunto de práticas econômicas caracterizadas pelo monopólio comercial, pela balança comercial favorável e pela intervenção do Estado na economia
b) o conjunto de idéias preconizadas por Adam Smith que defendia a livre iniciativa econômica e a atuação do Estado Absolutista
c) a expressão teórica do Estado liberal, caracterizado pelo livre comércio
d) o conjunto de práticas econômicas que incluíam o estímulo à livre iniciativa e o combate ao trabalho escravo
e) o conjunto de medidas econômicas colocadas em prática durante o período denominado Feudalismo, caracterizado pelas obrigações servis e pela livre iniciativa

10. (Uel) A análise das economias americana e africana durante os séculos XVI, XVII e maior parte do XVIII só pode ser feita levando-se em consideração a existência de um sistema maior, o comercial europeu. Esse sistema dá sentido e completa um ciclo econômico, mediante a realização de suas três etapas constitutivas - a produção, a distribuição e o consumo.
                (Adaptado de: REZENDE FILHO, Cyro Barros. "História Econômica Geral". São Paulo: Contexto, 2001. p. 89.)

Com base no texto e nos conhecimentos sobre a expansão comercial européia, é correto afirmar:
a) As relações econômicas desenvolvidas na América e na África devem ser compreendidas à parte do sistema comercial europeu.
b) A economia americana difere da africana, porque esta última, em função de seu processo produtivo ainda comunitário, ficou excluída de uma das três etapas constitutivas do sistema comercial europeu: a produção.
c) As etapas do ciclo econômico de produção, distribuição e consumo do sistema comercial europeu tiveram autonomia em relação à expansão comercial para a América e a África.
d) Uma das peças-chave da economia européia do período foi o chamado "sistema colonial", que tinha entre seus eixos fundamentais a exploração de colônias por meio do estabelecimento de monopólios.
e) A influência do sistema comercial europeu nas economias americana e africana limitou-se ao período colonial em ambos os continentes.

11. (Ufmg) "O objetivo das colônias é o de fazer o comércio em melhores condições [para as metrópoles] do que quando é praticado com os povos vizinhos, com os quais todas as vantagens são recíprocas. Estabeleceu-se que apenas a metrópole poderia negociar na colônia; e isso com grande razão, porque a finalidade do estabelecimento foi a constituição do comércio, e não a fundação de uma cidade ou de um novo império ..."
                MONTESQUIEU. "Do espírito das leis" (1748). São Paulo: Martin Claret, 2004. p. 387.

Considerando-se as informações desse trecho, é INCORRETO afirmar que as colônias européias, na Época Moderna,
a) deveriam levar ao estabelecimento e ao incremento do comércio, regulando-se em função dos interesses recíprocos entre as colônias.
b) deveriam oferecer às metrópoles melhores condições de comércio que as verificadas entre os países europeus e seus vizinhos.
c) estariam sujeitas ao exclusivo comercial das metrópoles, cujos negócios essas colônias deveriam incrementar.
d) foram estabelecidas com finalidades comerciais, pois, inicialmente, não era objetivo das metrópoles fundar um novo império.

12. (Ufrs) Leia a seguir um trecho do relatório elaborado pelo embaixador veneziano Giustiniani no período em que serviu na França.

"Seu objetivo era tornar o país inteiro superior a qualquer outro em opulência, abundante em mercadorias, rico em manufaturas e fecundo em bens de todo tipo, não tendo necessidade de nada e dispensando todas as coisas dos outros Estados. Em conseqüência, ele nada negligencia a fim de aclimatar na França as melhores indústrias de cada país e impede por diversas medidas os outros Estados de introduzir seus produtos no reino [...]. Quanto mais ele se encanta em ver entrar o ouro dos outros no reino, tanto mais é zeloso e cuidadoso em impedir a sua saída, e, para isso, as ordens mais severas são dadas por todos os lugares [...]."
                Citado em BERSTEIN, Serge. "Histoire". Paris: Hatier, 1990. p. 29.

Considerando os dados emanados do relatório e a época histórica, a política econômica a que o texto se refere é
a) o Feudalismo.
b) o Liberalismo.
c) o Capitalismo.
d) a Fisiocracia.
e) o Mercantilismo.

13. (Ufv) Mercantilismo é um termo que foi criado pelos economistas alemães da segunda metade do século XIX para denominar o conjunto de práticas econômicas dos Estados europeus, nos séculos XVI e XVII. Das alternativas abaixo, assinale aquela que NÃO indica uma característica do mercantilismo.

a) Busca de uma balança comercial favorável, ou seja, a superação contábil das importações pelas exportações.
b) Intervencionismo do Estado nas práticas econômicas, através de políticas monopolistas e fiscais rígidas.
c) Crença em que a acumulação de metais preciosos era a principal forma de enriquecimento dos Estados.
d) Aplicação de capitais excedentes em outros países para aumentar a oferta de matérias-primas necessárias à industrialização.
e) Exploração de domínios localizados em outros continentes, com o objetivo de complementar a economia metropolitana.

14. (G1) Explique que foi o Iluminismo, destacando as principais críticas feitas ao Antigo Regime.
               
15. (Fatec) O iluminismo surgiu na França, no século XVIII, e se caracterizava por procurar uma explicação racional para todas as coisas.
É correto afirmar que
a) a filosofia iluminista preocupou-se com o estudo da natureza, por isso, acreditava-se em Deus e no poder da Igreja para chegar a Ele.
b) seus pensadores eram divididos em dois grupos: os filósofos e os economistas, sendo estes últimos defensores de uma economia totalmente supervisionada pelo Estado.
c) os déspotas esclarecidos, monarcas e ministros europeus adeptos de idéias iluministas, modernizaram seus Estados abandonando o poder absoluto.
d) para corrigir a desigualdade social era preciso modificar a sociedade, dando a todos liberdade de expressão e de culto, além de proteção contra a escravidão, a injustiça, a opressão e as guerras.
e) um de seus maiores pensadores foi Montesquieu, que escreveu o Contrato Social, no qual criticava a Igreja e defendia a liberdade dos homens.

16 (Fatec) Adam Smith, teórico do liberalismo econômico, cuja obra, "Riqueza das Nações", constitui o baluarte, a cartilha do capitalismo liberal, considerava
a) a política protecionista e manufatureira como elemento básico para desenvolver a riqueza da nação.
b) necessária a abolição das aduanas internas, das regulamentações e das corporações então existentes nos países.
c) a propriedade privada como a raiz das infelicidades humanas, daí toda a economia ter de ser controlada pelo Estado.
d) a terra como fonte de toda a riqueza, enquanto a indústria e o comércio apenas transformavam ou faziam circular a riqueza natural.
e) o trabalho como fonte de toda a riqueza, dizendo que, com a concorrência, a divisão do trabalho e o livre comércio, a harmonia e a justiça social seriam alcançadas.

17. (G1) O Iluminismo contribuiu para uma série de modificações políticas e sociais. Entre elas, destaca-se:
a) fim do Despotismo Esclarecido.
b) fortalecimento do poder papal após o surgimento da Teoria do Direito Divino.
c) apesar da intensidade das idéias revolucionárias iluministas, a penetração desses ideais não chegava às colônias americanas.
d) criou bases ideológicas para a Revolução Francesa e influenciou o desenvolvimento da cultura e da educação ocorrido na Europa.
e) mesmo com bases revolucionárias, defendia a servidão.

18. (Pucpr) Dentre as características do Iluminismo, filosofia que alcançou sua máxima consagração na França do século XVIII, NÃO está presente :
a) O combate ao absolutismo real, não necessariamente à monarquia.
b) A defesa do liberalismo no plano econômico, ou seja, combatia o intervencionismo estatal na economia.
c) A defesa da pena de morte como forma de controle da criminalidade.
d) O ensino de que o homem deve governar-se observando a tradição, a religião e a fé.
e) A crença num Deus que pode ser alcançado pela razão, numa espécie de religião natural, dispensando dogmas e sacerdócio: o Deísmo.

19 (Uel) Igualdade social, liberdade de pensamento, ação e soberania popular são manifestações do Iluminismo que basicamente se caracterizou como:
a) Um movimento de retorno aos valores místicos e transcendentes, anteriores ao Renascimento.
b) Uma substituição da religião, da tradição e da ordem absolutista, pelo pensamento racional em prol dos liberalismos político e econômico.
c) Uma utopia social fundada na ideologia cristã, base das correntes humanistas do Ocidente.
d) Uma reação contrária à sistematização do saber e à soberania popular.
e) Um movimento artístico com ênfase na expressão livre da vontade criadora dos artistas.

20. (Ufmg) Com base em conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que o pensamento iluminista
a) levou seus principais ideólogos a tomar parte ativa nos acontecimentos da Revolução Inglesa e a se constituírem na principal liderança desse evento.
b) considerava a desigualdade um fenômeno natural e positivo, além de um importante elemento para garantia da estabilidade social e da paz.
c) favoreceu o envolvimento de todos os seus mentores em campanhas anticlericais, em que manifestavam um ateísmo militante e radical.
d) deu origem a projetos distintos, mas que tinham em comum reformas baseadas no princípio da tolerância e na busca da felicidade.

21. (Ufrrj) O texto a seguir se refere ao liberalismo econômico: A Escola de Manchester, conhecida também como Escola Clássica, desenvolveu o pensamento econômico dominante na época do capitalismo industrial e liberal. Coube a Adam Smith formular em "A Riqueza das Nações", que foi publicado em 1776, as idéias iniciais do Liberalismo Econômico, igualmente defendido por Davi Ricardo em "Princípios da Economia Política e do Imposto", Thomas Robert Malthus em "Ensaio Sobre o Princípio da População" e Jean Baptiste Say em "Tratado de Economia Política".   AQUINO, S. L. de A.; et alii. "História das sociedades modernas às atuais". Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1995, p. 1281.
                A obra Riqueza das Nações (1776), fundamental na evolução do pensamento econômico, defendia, entre outras, a idéia de que
a) a grandeza de um Estado exige a planificação e o dirigismo econômico.
b) o trabalho é a fonte de riqueza, baseando-se no valor da lei da oferta e da procura.
c) a riqueza deve basear-se, fundamentalmente, na exploração dos recursos da natureza.
d) a "mais-valia" resultado da exploração do trabalhador deve ser suprimida.
e) a socialização dos meios de produção e distribuição aumentam a eficiência da economia.

22. (Ufrs) No século XVIII, a filosofia das Luzes - o Iluminismo - constituiu um momento decisivo na história das idéias.
Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações a seguir, referentes a esse tema.

(     ) O movimento das Luzes teve seu maior esplendor na França, que constituía a maior potência da Europa ocidental, seja pelo número de habitantes, seja pelos recursos econômicos.
(     ) A despeito da concepção positiva da natureza humana e, portanto, da crença da perfectibilidade do homem, os pensadores iluministas recusaram qualquer engajamento na vida pública, negando a validade das reflexões políticas.
(     ) As Luzes encontraram suas raízes no progresso realizado no campo científico, ao longo do século XVII, através das contribuições de Galileu e Pascal, entre outros.
(     ) Como princípio-chave, a filosofia iluminista almejava fazer progredir o espírito crítico através de uma reflexão livre: a razão tornou-se o imperativo supremo.
(     ) O século das Luzes pôde atingir tamanho desenvolvimento na medida em que contou com a mais ampla liberdade de expressão e de imprensa, à qual o Estado não impunha censuras.

A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
a) F - F - V - V - V.
b) V - V - F - F - F.
c) F - V - F - V - V.
d) V - F - V - V - F.
e) F - V - F - F - V.

23. (Ufu) O fim maior e principal para os homens unirem-se em sociedades políticas e submeterem-se a um governo é a conservação de suas propriedades, ou seja, de suas vidas, liberdades e bens.
                Adaptado de LOCKE, John. "Dois Tratados sobre o Governo". São Paulo: Martins Fontes, 1998, p.495.

A autoproteção constitui a única finalidade pela qual se garante à humanidade, individual ou coletivamente, interferir na liberdade de ação de qualquer um. O único propósito de se exercer legitimamente o poder sobre qualquer membro de uma comunidade civilizada, contra sua vontade, é evitar dano aos demais.
                Adaptado de MILL, J.Stuart. "A Liberdade". São Paulo: Martins Fontes, 2000, p.17.

Os trechos anteriores referem-se aos fundamentos do pensamento liberal. Sobre esse tema, assinale a alternativa que apresenta a explicação INCORRETA.
a) Em defesa da razão e da liberdade, vários pensadores europeus inspiraram uma série de transformações sociais, econômicas e políticas, principalmente a partir do século XVIII, cujas conseqüências estão presentes até hoje na sociedade contemporânea.
b) As bases filosóficas e políticas da sociedade civil e do Estado liberal moderno formaram-se, primeiramente, na Inglaterra no século XVII, tendo como um de seus principais idealizadores John Locke.
c) A defesa da liberdade e da propriedade como direitos legítimos do indivíduo foi importante na formação do ideário liberal, comum a dois importantes movimentos político-sociais europeus nos séculos XVII e XVIII: a Revolução Gloriosa na Inglaterra e a Revolução Francesa.
d) Os princípios do liberalismo, defendidos por Locke e Stuart Mill, excluem os direitos do indivíduo na sociedade ao justificarem a adoção de punições em função de ameaças à liberdade e à propriedade.

24. (Pucpr) As revoluções liberais burguesas inspiraram-se em idéias de intelectuais iluministas que muito valorizavam a razão, procurando explicações racionais para todas as coisas.
Dentre estas idéias, as que mais estavam diretamente relacionadas àqueles movimentos revolucionários eram:

I - A liberdade individual era um entrave ao funcionamento do Estado e deveria ser abolida.
II - O estado nada mais era do que o poder conjunto de todos os membros da sociedade, poder este limitado.
III - O poder político deve ser indivisível e uno, pois somente assim pode atender suas finalidades.
I V- Em oposição ao Antigo Regime, a centralização administrativa devia concentrar os poderes políticos.
V - O Mercantilismo deveria ser substituído pelo Liberalismo, em oposição a qualquer tipo de regulamentação.

São corretas as afirmações:
a) I e IV
b) I e III
c) II e V
d) III e IV
e) IV e V


GABARITO

1. Para obter a unificação do mercado através da adoção de uma moeda única, impostos nacionais, unidade de pesos e medidas e proteção militar interna e externa.

2. a) Manter o controle sobre o Estado, o que se justifica pela tese "os fins justificam os meios".
b) Sem piedade.
c) A defesa do individualismo e do pragmatismo contrariavam os princípios de humildade, justiça e lealdade contidos na moral cristã medieval.

3. [E]

4. [D]

5. [A]

6. [A]

7. [D]

8. [A]

9. [A]

10. [D]

11. [A]

12. [E]

13. [D]


14. O iluminismo foi um movimento filosófico ocorrido entre os séculos XVII e XVIII, fundamentado na crença da razão humana como única forma de aqusição de conhecimento e de explicação dos fenômenos naturais, e na defesa dos princípios de liberdade, igualdade, fraternidade e busca da felicidade, como condição natural dos homens.
Entre as críticas dos iluministas ao Antigo Regime, pode-se destacar o poder absoluto dos reis, a divisão da sociedade em estamentos e os privilégios de classe, e a intolerância religiosa.

15. [D]

16. [E]

17. [D]

18. [D]

19. [B]

20. [D]

21. [B]

22. [D]

23. [D]

24. [C]